A LUTA CONTINUA!


ONDE A SERIEDADE É FULEIRA... E A FULEIRAGEM É SÉRIA!

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

BRASIL:

Em ato contra aumento de impostos, pato inflável é colocado na Esplanada  

Grupo pretende entregar uma petição no Congresso quando alcançar 1 milhão de assinaturas na campanha, intitulada "Não vou pagar o pato".


Um pato inflável de cerca de 12 metros de altura foi colocado no canteiro central da Esplanada dos Ministérios, em frente ao Congresso Nacional, na manhã desta quinta-feira (1°/10). O objeto gigante é um ato de protesto chamado “Não vou pagar o pato”, feito pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), contra o aumento de impostos e a volta da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF).


Na campanha, lançada em São Paulo em 21 de setembro, o grupo pretende entregar uma petição no Congresso quando alcançar 1 milhão de assinaturas. Até por volta das 11h30, o site do movimento já tinha conseguido cerca de 450 mil assinaturas.

Leia mais notícias em Cidades

No manifesto, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, afirma que aumentar ainda mais os impostos e trazer de volta a CPMF “vai forçar as empresas a fecharem um grande número de vagas de empregos”. “Afetará duramente a indústria, o comércio, o setor de serviços e os pequenos empreendedores. Com o desemprego em alta, as famílias são as que mais sofrem e são obrigadas a reduzir o consumo”, diz o texto.

Entenda
Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) foi enviada pelo governo ao Congresso em 22 de setembro, com o objetivo de criar um imposto nos moldes da CPMF. A medida de ajuste compõe o anúncio de R$ 64,9 bilhões para equilibrar as contas do governo no próximo ano. Segundo o Planalto, o imposto deve gerar uma receita de R$ 32 bilhões aos cofres federais. O Ministério da Fazenda explica que a PEC estabelece uma alíquota de 0,2% sobre as movimentações financeiras. A cobrança deverá vigorar por até quatro anos, e os recursos arrecadados serão destinados à Previdência Social.

Postado em 01/10/2015 11:53 / atualizado em 01/10/2015 13:36

Nenhum comentário: