A LUTA CONTINUA!


ONDE A SERIEDADE É FULEIRA... E A FULEIRAGEM É SÉRIA!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

CAUSO

GETÚLIO

Quando Getúlio Vargas praticamente exilou-se na sua estância do Itu - enquanto país afora crescia o movimento do "queremismo" -, gente de todos os quadrantes chegava para visitar o caudilho gaúcho. Políticos, em especial; jornalistas em regular quantidade; velhos amigos seus de São Borja e adjacências e, de inhapa, toda uma variada malta de curiosos.
Dentre esses, certa feita, um repentista do Norte. Cara chata, violinha à mão, calça corrida e chapéu de vaqueiro, era uma figura que contrastava com a peonada da estância, capataziada pelo mulato Aristeu.
Chegou, depois de dois meses de caronas, na carroçeria de um caminhão de carga. A segurança do ex-presidente . gente de sua estrita confiança - passou a limpo, em dois tempos, a identidade e intenções do nordestino. Concluíram, logo, que não passava de um pobre diabo que tinha como ofício a garganta sempre pronta para o improviso em versos. Ademais, getulista ferrenho. Seu pai, já falecido, teria sido - segundo suas palavras - admirador de João Pessoa, um dos artífices da Aliança Liberal; por conseguinte, também Getúlio Vargas, "pescador da mesma jangada".
O ex-presidente mandou que liberassem o cabeça-chata; que ficasse pelos galpões do Itu, divertindo com seus versos e emboladas,a peonada e os visitantes.
O doutor Getúlio costumava, quando em quando, churrasquear no galpão, entreverado com os que o visitavam, sem discriminar a ninguém.
Foi numa dessas oportunidades que sucedeu a chegada, na estância, de um trovador famoso de Santiago do Boqueirão. Pilchado a preceito, tocador de gaita de oito baixos, tinha realmente qualidades o santiaguense. Estando Getúlio no galpão, aguardando que Aristeu lhe trouxesse o assado que mais apreciava, o gaúcho abriu o peito, improvisando versos laudatórios.
Alguém lhe disse que ali estava um trovador do Norte, que cantava como gente grande. Quem sabe se um desafio, confrontando os dois? Foi upa e teve! Chamaram o nordestino e o santiaguense, de saída, abriu o peito:
-Você que vem lá do Norte,
terra de secas amargas,
me diga na relancina
sem ficar na retaguarda,
qual a maior qualidade
do doutor Getúlio Vargas.
Palmas e vivas para o gaúcho. O nordestino esperou a volta da gaita e respondeu, na sua voz com timbres de araponga:

O doutor Getúlio Vargas,
sem lhe fazer desacato,
é esperto como um jegue
aqui lhe deixo o retrato:
tira o carpim de seu pé
sem descalçar o sapato!
O doutor Getúlio sorriu em meio dos aplausos. E antes que o desafio descambasse - trovador é bicho atrevido - mandou servir o churrasco.

Fonte: Página do Gaúcho
Um dia um mineiro chegou para a mulher disse:
- Muié, tô indo trabaiá i só vorto di noiti.
Quando saiu de casa, a preguiça bateu, e ao invés de ir para roça subiu num pé de manga e ficou lá morgando. Quando, de repente aparece um negão, vai até o pé de manga e nem percebe que o mineiro estava lá.
Pega uma manga e começa a chupar, pega mais uma, pega outra…, aí a mulher do mineiro aparece e diz:
- Pode vir, negão. Ele já foi !
E o negão entra na casa do caipira. O mineiro, puto da vida, desce da árvore, pega um facão e entra na casa. Quando ele abre a porta vê o negão chupando os peitos da sua mulher, então levanta o facão e diz:
- Vai morrê, negão!!!
Nisso o negão saca um 38 da cintura, aponta pro caipira e diz:
- Por que eu vou morrer ?
E o mineiro:
- Chupô treis manga e agora tá tomando leite. Nunca disseram procê que dá congestão ??

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=83370 © Luso-Poemas
Um dia um mineiro chegou para a mulher disse:
- Muié, tô indo trabaiá i só vorto di noiti.
Quando saiu de casa, a preguiça bateu, e ao invés de ir para roça subiu num pé de manga e ficou lá morgando. Quando, de repente aparece um negão, vai até o pé de manga e nem percebe que o mineiro estava lá.
Pega uma manga e começa a chupar, pega mais uma, pega outra…, aí a mulher do mineiro aparece e diz:
- Pode vir, negão. Ele já foi !
E o negão entra na casa do caipira. O mineiro, puto da vida, desce da árvore, pega um facão e entra na casa. Quando ele abre a porta vê o negão chupando os peitos da sua mulher, então levanta o facão e diz:
- Vai morrê, negão!!!
Nisso o negão saca um 38 da cintura, aponta pro caipira e diz:
- Por que eu vou morrer ?
E o mineiro:
- Chupô treis manga e agora tá tomando leite. Nunca disseram procê que dá congestão ??


Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=83370 © Luso-Poemas
Um dia um mineiro chegou para a mulher disse:
- Muié, tô indo trabaiá i só vorto di noiti.
Quando saiu de casa, a preguiça bateu, e ao invés de ir para roça subiu num pé de manga e ficou lá morgando. Quando, de repente aparece um negão, vai até o pé de manga e nem percebe que o mineiro estava lá.
Pega uma manga e começa a chupar, pega mais uma, pega outra…, aí a mulher do mineiro aparece e diz:
- Pode vir, negão. Ele já foi !
E o negão entra na casa do caipira. O mineiro, puto da vida, desce da árvore, pega um facão e entra na casa. Quando ele abre a porta vê o negão chupando os peitos da sua mulher, então levanta o facão e diz:
- Vai morrê, negão!!!
Nisso o negão saca um 38 da cintura, aponta pro caipira e diz:
- Por que eu vou morrer ?
E o mineiro:
- Chupô treis manga e agora tá tomando leite. Nunca disseram procê que dá congestão ??


Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=83370 © Luso-Poemas

Nenhum comentário: